Frase da Semana

"Há pessoas que nos falam e nem as escutamos, há pessoas que nos ferem e nem cicatrizes deixam mas há pessoas que simplesmente aparecem em nossas vidas e nos marcam para sempre."

Cecília Meireles

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Renan Calheiros tenta justificar o injustificável


O senador Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado Federal, subiu a tribuna ontem (07 Nov) para defender e justificar, diante de uma platéia de exatos 5 outros senadores, a contratação de apadrinhados naquela casa legislativa.

Suas argumentações se basearam na economia de gastos que tem conseguido durante sua gestão.

O senador não vê nada de errado em empregar apadrinhados sem concurso público. O número de apadrinhados já supera o número de servidores concursados em mais de 300.

"Felizmente e de maneira insólita estamos sendo criticados por uma iniciativa positiva que foi promover o enxugamento de gastos sem precedentes no Senado Federal", disse o senador, inconformado com as críticas.

Sabe-se, desde a constituição de 1988, que o acesso a um cargo público somente se dá por meio de concurso público. Mas como no Brasil há um jeitinho pra tudo, criaram um cargo público que tangencia a lei: um tal de “Cargo Comissionado” que dizem ser de natureza temporária. No entanto, se o comissioneiro for amigo do rei e se o seu rei não for deposto, eterna é a sua misericórdia e eterno será o recheio de sua conta bancária.


Enquanto isso, estudiosos e esforçados estudantes da plebe queimam as pestanas horas a fio na esperança de um dia terem acesso a um cargo público através de concurso. DETALHE: assumirão cargos concursados pra ganhar menos da metade do que ganham os “competentes” comissioneiros do Senado.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Por que a Mega Sena sai pra tão poucos?


Há tempos que me questiono sobre os resultados da Mega Sena. E o resultado do concurso 1545 que premiou apenas um apostador com mais de R$ 80 milhões me deixou mais intrigado ainda.


Todos sabem que o apelo mercadológico da Mega Sena é a possibilidade de criar novos milionários. E é a partir desse apelo que as pessoas continuam apostando e sonhando um dia se tornar um novo milionário brasileiro.

E nesta semana não foi diferente. Atraídos pelo milionário prêmio, milhões de pessoas apostaram na Mega Sena. Foram ao todo 80.408.741 apostas de 6 números combinadas em cartões de no máximo 10 números e no mínimo 6.

Ora, se a probabilidade de se acertar na Mega Sena é de 1 para 50.063.860 era de se esperar que se tivesse mais de um ganhador. E mais, se extrairmos desse universo as variações com mais de 4 números seqüenciais, a probabilidade de se acertar na Mega Sena cai pra menos da metade o que aumentaria as chances de num universo de mais 80 milhões de apostas se tivesse vários ganhadores e não apenas um como aconteceu no concurso 1545.

Mas a pergunta que me faço é como entender que em mais de 80 milhões de apostas apenas uma e somente uma era diferente de todas as outras e logo esta tenha sido a sorteada?

Gostaria muito de ver todas as apostas recebidas pelas lotéricas. Só assim, teríamos mais transparência nesse jogo.

O bom mesmo seria acontecer o que aconteceu nos concursos 529 de 14 JAN 04 e 1211 de 04 SET 10 quando, respectivamente, 15 e 7 apostadores ficaram milionários.

E pra quem não sabe, um internauta afirmou no twitter em dezembro do ano passado, 15 dias antes do sorteio da Mega Sena da virada, que algum apostador de Aparecida de Goiânia estaria entre os ganhadores. Acertou! DETALHE: o cara tinha um parente diretor da Caixa.

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

O voo da águia aos 40


A águia é a ave que possui a maior longevidade da espécie. Chega a viver cerca de 70 anos. Porém, para chegar a essa idade, aos 40 anos, ela precisa tomar uma séria e difícil decisão.


Aos 40 anos, suas unhas estão compridas e flexíveis e já não conseguem mais agarrar as presas, das quais se alimenta. O bico, alongado e pontiagudo, se curva. Apontando contra o peito, estão as asas, envelhecidas e pesadas, em função da grossura das penas, e, voar, aos 40 anos, já é bem difícil! Nessa situação a águia só tem duas alternativas: deixar-se morrer... ou enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar 150 dias.

Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e lá recolher-se, em um ninho que esteja próximo a um paredão.Um lugar de onde, para retornar, ela necessite dar um vôo firme e pleno. Ao encontrar esse lugar, a águia começa a bater o bico contra a parede até conseguir arrancá-lo, enfrentando, corajosamente, a dor que essa atitude acarreta. “Desbicada”, a águia espera pacientemente nascer um novo bico, com o qual irá arrancar as suas velhas unhas. Com as novas unhas ela passa a arrancar as velhas penas. E só após cinco meses, "renascida", sai para o famoso vôo de renovação, para viver, então, por mais 30 anos.

Muitas vezes, em nossas vidas, temos que nos resguardar por algum tempo e começar um processo de renovação. Devemos nos desprender das más lembranças, dos maus costumes e de outras situações que nos causam dissabores, para que continuemos a voar. Um vôo de vitória. Somente quando livres do peso do passado (pesado), poderemos aproveitar o resultado valioso que uma renovação sempre traz. Destrua, pois, o bico do ressentimento, arranque as unhas do medo, retire as penas das suas asas dos maus pensamentos e alce um lindo vôo para uma nova vida.

Um vôo de vida nova e feliz.


Autor Desconhecido


quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Cerveja Brasileira: o que já era ruim vai ficar pior


O lobby cervejeiro entra em ação mais uma vez em Brasília. Representantes do setor há tempos tentavam, e parece que conseguiram, convencer o Ministério da Agricultura da necessidade de alteração do padrão cervejeiro no Brasil que, por sinal, já é péssimo.


Entre as propostas, destacam-se a possibilidade de utilizar produtos de origem animal e vegetal na composição da bebida e o aumento da proporção de cereais não maltados na sua composição.

Atualmente, o padrão de cerveja no Brasil é definido pelo Decreto Lei 6.871 de 2009 que permite até 45% de cereais não maltados como arroz e milho no processo de elaboração da bebida. A pretensão é aumentar o percentual para 50%, bem como liberar o uso de ingredientes de origem animal e vegetal – como mel e frutas – na sua composição.

As cervejas massificadas produzidas em larga escala pelas grandes cervejarias brasileiras são de péssima qualidade. Quem bebe cerveja regularmente há pelo menos 10 anos e tem um paladar sensível vai concordar comigo.

Se observarem na composição dessas cervejas, verão que todas são fabricadas com malte (sabe-se lá do quê), cereais não maltados (milho e arroz, por exemplo), lúpulo e água. E enquanto uma cerveja de qualidade razoável leva no mínimo 30 dias para fermentar e maturar, essas porcarias levam menos de 3 dias para fermentar e maturam durante o próprio processo de distribuição e venda.

Quem sai ganhando com isso são as nanocervejarias e os cervejeiros artesanais que, aos poucos, estão conquistando espaço no mercado com suas cervejas puro malte de excelente qualidade. É tanto que estes produtores não se opõem a medida. Segundo o cervejeiro Paulo Morato, o Ministério da Agricultura, ao “acatar esse pedido, ele vai aceitar que se venda gato por lebre porque, ao diminuir a quantidade de malte, reduz-se a qualidade e a pureza da cerveja. Usar milho e arroz não faz mal à saúde, mas deturpa o produto”.

O Ministério da Agricultura irá apresentar, nos dias 20 e 21 de agosto, em Brasília (DF), a representantes do setor produtivo, instituições de ensino, micro empresários e associações de consumidores, a nova proposta de instrução normativa que regulará sobre a possibilidade de utilizar outros ingredientes na produção de cerveja no Brasil e no Mercosul. A liberação vai ser submetida à consulta pública. A expectativa dos representantes das cervejarias é de que, caso as alterações sejam aprovadas, elas entrem em vigor num prazo de dois anos.


segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Governo do DF reforma celas para receber políticos condenados


O Brasil é realmente um país diferenciado. Tão diferente que, diante da possibilidade de encarcerar políticos e pessoas ilustres da sociedade, a Secretaria de Segurança Pública do DF iniciará uma reforma no Centro de Progressão Penitenciária (CPP), no Setor de Indústria e Abastecimento de Brasília (SIA), para dar mais segurança e conforto aos seus futuros hóspedes. A justificativa do gasto repousa na possibilidade desses ilustres detentos serem alvo de rebeliões, extorsões ou outro tipo de exploração por condenados perigosos.

Assim como no caso do deputado federal Natan Donadon (sem partido-RO), que está isolado dos demais presos numa cela no Pavilhão de Segurança Máxima (PSM), outros parlamentares que venham a cumprir pena no DF não serão misturados aos demais presidiários. “Não é uma regalia. É uma questão de segurança, de necessidade no sistema penitenciário”, ressalta o delegado da Polícia Civil Cláudio de Moura Magalhães. “Quem tem notoriedade fica vulnerável e precisa ser separado da massa, sob pena de ser vítima de extorsão, por exemplo”, explica.

O delegado diz que esses internos não terão privilégios em relação aos demais. Segundo Magalhães, todos que cumprem pena no DF têm o mesmo tratamento: banho frio e refeições sem tempero ou gordura. “A alimentação pode não ser tão saborosa como em restaurantes de Brasília, mas posso garantir que as refeições são saudáveis para todos”, acrescenta. Quanto ao banho, continuará frio e sem chuveiro, garante.


segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Emagreça consumindo alimentos Termogênicos


Assim como quando praticamos exercícios físicos, nosso corpo também consome energia quando nos alimentamos. O processo digestivo e metabólico dos alimentos consome um pouco da energia acumulada em nosso corpo. O ruim é que muitos alimentos acumulam mais energia (engorda) do que consomem quando são digeridos. Mas alguns alimentos consomem muito mais energia no processo digestivo e metabólico do que acumulam, estes são os alimentos Termogênicos.

A nutricionista funcional Luciana Harfenist, do Rio de Janeiro, destaca que "as substâncias termogênicas contidas em certos alimentos têm a capacidade de aumentar a temperatura corporal, acelerando o metabolismo e aumentando a queima de gordura. A termogênese é um processo regulado pelo sistema nervoso e interferências neste sistema podem ajudar no controle de emagrecimento e obesidade".

No entanto, sabe-se que não existem milagres quando o assunto é perder peso. Para que esses alimentos mostrem resultado, é necessário aliá-los à dieta regrada e exercícios físicos. Além disso, os alimentos termogênicos devem ser evitados por pessoas com hipertireoidismo, cardiopatias e hipertensão arterial e por indivíduos que sofrem com enxaquecas, úlceras e alergias, pois eles podem levar ao aumento da pressão arterial, hipoglicemia, insônia, nervosismo e taquicardia.

Entre os principais alimentos termogênicos, destacam-se:

Pimenta vermelha: É rica em capsaicina, substância que favorece o aumento da quebra de gorduras no tecido adiposo. Ela aumenta em até 20% a atividade metabólica se ingerida na quantidade de três gramas por dia, podendo ser adicionada em saladas e pratos quentes como tempero.

Chá verde (Camellia sinensis): "Assim como a pimenta, esse chá favorece a utilização da gordura corporal como fonte de energia em função do estimulo metabólico", afirma a nutricionista funcional Luciana Harfenist. Para que o efeito aconteça, a nutricionista Daniela Cyrulin aconselha cinco xícaras de chá por dia durante três meses.

Canela: Além de aumentar o metabolismo basal, a canela possui alto teor de cálcio mineral, substância importante para o emagrecimento. Polvilhada por cima de frutas (aproximadamente uma colher de chá rasa), contribui com o emagrecimento e ainda torna a refeição deliciosa, como aconselha a nutricionista Daniela Cyrulin.

Gengibre: Essa raiz pode aumentar o gasto calórico em mais de 10% e pode ser consumida de diversas formas: desde ralada ou picada nos alimentos ou mastigada após cozida. A quantidade indicada pela nutricionista Daniela Cyrulin é de duas fatias pequenas.


sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Presidente do STF demonstra despreparo para o cargo


Aos poucos a população brasileira vai compreendendo que o nosso país está realmente emborcado, está de cabeça pra baixo. Nossa república, que está sustentada nos poderes executivo, legislativo e judiciário, os quais devem ser representados por cidadãos inequivocamente preparados para comandar estes institutos, dá provas de sua atual fragilidade em consequência da evidente falta de preparo de seus atuais comandantes.

E entre os despreparados líderes dos três poderes do Brasil, destaca-se o atual presidente do STF, instância máxima do poder legislativo brasileiro, quando volta e meia evidencia sua incompetência para o cargo. Quiçá estivesse preparado para ser ministro, não por desconhecimento da doutrina jurídica, mas por sua facilidade em se envolver em intrigas com seus pares. O episódio de ontem (15/08) foi lamentável. Visivelmente descortês, o ministro Joaquim Barbosa foi, acima de tudo, mal-educado, desrespeitoso, destemperado, grosseiro – posturas definitivamente impróprias para quem exerce um cargo de tão alta relevância.

Mas isso não é novidade. Em 2008, o ministro Joaquim Barbosa e o ex-ministro Eros Grau travaram um bate-boca em plena sessão do STF recheado de ofensas pessoais quando divergiram sobre a soltura de Humberto Braz, braço direito do banqueiro Daniel Dantas.

Preocupado com a opinião pública, o ministro Joaquim Barbosa censurou seu colega: “Como é que você solta um cidadão que apareceu no Jornal Nacional oferecendo suborno?”, perguntou Joaquim. Eros respondeu que não havia julgado a ação penal, portanto não havia fundamento para manter prisão preventiva. Joaquim Barbosa retrucou dizendo que “a decisão foi contra o povo brasileiro”.

Em outro round, depois que Joaquim Barbosa deu habeas corpus para garantir a Daniel Dantas o direito de não se auto-incriminar em uma Comissão Parlamentar de Inquérito, Eros, em tom de gozação, comentou que esse HC repercutira mais que o dele. Joaquim, enfurecido, quase chegou às vias de fato com o colega.

Joaquim só não agrediu Eros porque foi contido. Ele chamou o colega de velho caquético, colocou sua competência em questão, disse que ele escreve mal “e tem a cara-de-pau de querer entrar na Academia Brasileira de Letras”. Eros retrucou lembrando decisões constrangedoras de Joaquim Barbosa que a Corte teve de corrigir e que ele nem encontrava mais clima entre os colegas. O clima azedou a ponto de se resgatar o desconfortável boletim de ocorrência feito pela então mulher de Barbosa, tempos atrás: “Para quem batia na mulher, não seria nada estranho que batesse em um velho também”, afirmou.

Sobre este fato leia também em nosso blog: Ministro Joaquim Barbosa já agrediu a própria esposa



Ministro Joaquim Barbosa já agrediu a própria esposa


O Ministro Joaquim Barbosa tinha um currículo notável, mas acabou sendo a indicação mais trabalhosa na época. O então Ministro da Justiça Márcio Thomás Bastos foi informado de um episódio constrangedor da biografia de Joaquim Barbosa.

Muitos anos atrás, quando ainda morava em Brasília, ele estava se separando de sua então mulher, Marileuza, e o casal disputava a guarda do único filho – Felipe, hoje com 18 anos. Na ocasião, Joaquim Barbosa se descontrolou e agrediu fisicamente Marileuza, que chegou a registrar queixa na delegacia mais próxima. O governo ficou com receio de que Joaquim Barbosa se transformasse num caso como o de Clarence Thomas, o juiz negro da Suprema Corte americana que, ao ser nomeado para o cargo, foi acusado de assédio sexual, gerando um desgastante escândalo.

Enquanto o governo decidia o que fazer, os comentários pipocaram no próprio Supremo. A ministra Ellen Gracie, a única mulher da corte, no intervalo entre uma sessão e outra, mostrou-se preocupada. "Vai vir para cá um espancador de mulher?", perguntou ao colega Carlos Velloso. "Foi uma separação traumática", conciliou Velloso. "Mas existe alguma separação que não é traumática?", interveio o ministro Gilmar Mendes.

Para desanuviar o ambiente, o ministro Nelson Jobim saiu-se com uma brincadeira machista, a pretexto de justificar a agressão: "A mulher era dele". O governo preocupou-se à toa. Indagado sobre o episódio pelo ministro da Justiça, Joaquim Barbosa explicou que fora um desentendimento árduo, mas superado. Dias depois, o Ministro Joaquim Barbosa encaminhou ao Gabinete Civil da Presidência da República uma carta, contornando o caso.


quinta-feira, 15 de agosto de 2013

O Brasil está repleto de cartéis


Diante das declarações da Siemens apresentadas ao CADE denunciando a existência de um grande cartel de empresas multinacionais manipulando as licitações de obras nos metrôs de São Paulo, o Brasil teve um choque porque jamais se esperava que esse tipo de corrupção acontecesse nas administrações do PSDB - partido que até então vendia uma imagem de austeridade, correção e integralidade.

É muita ingenuidade de quem pensa ou pensava assim.

As administrações públicas brasileiras, direta ou indireta e nas três esferas, estão repletas de cartéis. Da simples compra de material de expediente até a construção de uma grande obra, existem empresas manipulando preços e fazendo acordos para fechar contratos públicos sem maiores interferências. Tudo com ar de normalidade. E ai daquele que resolver participar das licitações públicas fora dos ditames dos cartéis – será fritado nos próximos certames, seja no órgão ou no setor em que atua.

Já tinha exposto minha opinião neste blog (A ineficiente lei das licitações públicas) e repito: a lei que rege as licitações públicas está ultrapassada, é burocrática e proporciona a obscuridade dos certames licitatórios favorecendo a corrupção.

O caso de São Paulo é só mais um caso de corrupção em licitação combinada. Os editais públicos são montados visando garantir a participação somente daqueles interessados do contratante. Muitas cláusulas nestes editais são colocadas de forma a selecionar apenas as empresas participantes do cartel. Ou seja, não adianta alguém de fora vir a participar do certame porque será excluído por não cumprimento dos pré-requisitos exigidos. E mesmo que consiga participar, sendo vencedor, dificilmente será contratado devido à enxurrada de contestações que sofrerá. A não ser que passe a concordar com as regras impostas pelo grupo.

Principalmente nas prefeituras, a festa das contratações cartelizadas é onde mais acontece. Poucas têm uma comissão de licitação em que os preceitos da lei e o interesse público sejam fielmente postos em prática. Em quase todas, a contribuição com o percentual decenário ou quinzenário é sempre a condição extra-oficialmente exigida de quem contrata com o poder público.

Quer tirar a prova do que eu digo? Compare o custo de uma obra púbica com o custo de uma obra privada de mesmo porte. A diferença é de mais de 100%. E pra onde será que vai esse dinheiro? Pro meu bolso é que não é?


O Brasil tem que mudar de cabo a rabo.


terça-feira, 13 de agosto de 2013

O Brasil chama a atenção do Canadá

Fonte: Agência Brasil

Um artigo publicado nesta sexta (09/08), no jornal canadense Globe & Mail, de Toronto, destaca a visita do ministro Baird a sete países da América Central e do Sul, entre eles o Brasil, para dar continuidade ao "Diálogo de Parceria Estratégica Brasil-Canadá", iniciado no ano passado. O artigo ressalta que o Brasil merece atenção especial, por ser um dos maiores produtores mundiais de alimentos, energia e minerais. “Abundantemente rico em recursos naturais, o Brasil tem aproveitado esses dons para uma maior prosperidade. Ele também está engajado globalmente com determinados países e regiões ao longo das últimas duas décadas, como parte de uma estratégia para garantir um crescimento econômico sustentável, tática que o Canadá faria bem em imitar. O Brasil também tem usado os seus recursos naturais e estratégicos ao longo da última década para se transformar em uma potência mundial, a sexta maior economia do mundo”, diz a matéria.

A publicação cita o Brasil na década de 90, durante o governo do Presidente Fernando Henrique Cardoso, quando atingiu uma participação ativa na ordem econômica e política global. O texto continua avaliando o desenvolvimento brasileiro, no período do governo Lula, que produziu um impacto social que deu continuidade ao crescimento econômico, retirando cerca de 12 milhões de pessoas da pobreza, iniciativa que teve o apoio de lideranças regional e global.

Segundo Jennifer Jeffs, atualmente o Brasil possui uma das maiores taxas de investimento estrangeiro no mundo. E seu processo de crescimento, de acordo com a autora, ganhou força no governo Lula, período em que o país abriu 33 novas embaixadas, 19 consulados e cinco novas missões diplomáticas, consolidando sua presença global. O artigo diz que os recentes protestos no Brasil resultam das expectativas da nova classe média, o que representa “o ritmo acelerado do social, bem como o desenvolvimento econômico”, destaca o texto.

Infelizmente, o que a jornalista Jennifer Jeffs não citou é que o Brasil é um país de extremos. Produzimos muitos alimentos mas ainda temos muita gente passando fome; somos auto-suficientes em petróleo mas temos a gasolina mais cara do mundo; temos muitas leis e decretos inócuos porque nossa justiça é lenta e altamente burocrática e subjetiva; e dentre as leis, temos a Lei da Licitações, que muito mais favorecem os corruptos do que ordenam os gastos públicos; temos também muitos hospitais e postos de saúde, porém, fechados ou sem médicos ou sem condições de atendimento; temos muitas escolas, sucateadas e repletas de professores miseralibilizados pelos ridículos salários que recebem; temos também muitos impostos, cujas incidências se sobrepõem numa progressividade impiedosa mas cujos recursos pouco sabemos onde são empregados; corruptos e corruptores? Ahhh, esses nós temos de sobra e até fazemos doação, se o Canadá quiser.